Informações Científicas   

 
:: Trabalhos Científicos
 
 

ASPECTOS DE HIDRÁULICA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DA GRANDE JOÃO PESSOA (PB)

 

Fábio Bauermann Lummertz

O presente estudo envolve uma área de aproximadamente 380km2, localizada na região costeira do Estado da Paraíba, incluindo a cidade de João Pessoa e áreas vizinhas.

Geologicamente, a área é dominada por rochas da faixa sedimentar costeira Pernambuco - Paraíba. A sequência encontra-se sobreposta ao embasamento cristalino e inicia com os arenitos da Formação Beberibe, subdividida em dois membros, um inferior (Santoniano), essencialmente não calcífero e friável, e o outro superior (Campaniano), calcífero, compacto e com porosidade secundária. Segue-se a Formação Gramame (Maastrichtiano), constituída principalmente por calcário, e no seu topo a Formação Maria Farinha (Paleoceno), compreendendo calcários e arenitos calcíferos. Uma discordância separa as formações pré-citadas da sequência continental seguinte do Grupo Barreiras (Plio-Pleisto-Holoceno), com caráter areno-argiloso. Encerrando a coluna tem-se depósitos recentes (aluviões e coberturas arenosas).

Os sedimentos, de um modo geral, mergulham para leste e encontram-se afetados por estruturas de quebramento, com direções essencialmente NE-SW, E-W e NW-SSE.

O sistema aquífero Beberibe é o mais importante da área. O valor determinado para a sua transmissividade foi de 2,09 x 10-3 m2/s e de 1,84 x 10-2 para o seu coeficiente de armazenamento.

Existem fluxos das águas subterrâneas, muito lentos em profundidade, através do aquífero Beberibe. Os sentidos preferenciais dos fluxos são em direção ao mar e em direção ao rio Paraíba. O fluxo para leste é barrado pela interface marinha, ocorrendo daí fenômenos de drenança para os aquíferos superiores. A água retirada do aquífero Beberibe por bombeamento ajuda a manter os fluxos das águas subterrâneas. Dependendo das cargas hidráulicas relativas nos diferentes aquíferos, ocorrem fenômenos de drenança entre eles.

Palavras-chave: Sequência sedimentar, Aquífero Beberibe, Fluxos subterrâneos
Orientador: Benjamin Bley de Brito Neves
Aprovada em: 01/08/1977

 

 

Parceiros


Publicidade