Ir para o conteúdo
Perfuradores.com - Perfuração, Poço, Artesiano, Monitoramento, Sondagem, Mineração, Horizontal e Pertróleo
Central de Cotações Gratuitas  |  Classificados  |  Balcão de Empregos  |  Negócios

Manutenção de Poços   

Foto da ilustração: Leandro A Luciano/Hidrotec Poços Artesianos
Problema identificado: Obstrução da tubulação por ferro-bactérias.

Programa de Manutenção
Preventiva e Corretiva

:: 7 Recondicionamento ou reabilitação de poços

Os dados a seguir servem de orientação para o recondicionamento do poço. Convém lembrar que cada poço tem sua história e isso deve ser objeto de um plano específico de trabalho.

7.1. Caso 1Obstrução física por partículas (siltes e areias) no meio do pré-filtro (Limpeza mecânica, sem produto químico)

O tipo de obstrução referido é de natureza mecânica, resultante da colmatação de filtros e deposição de materiais no perímetro do poço ou no fundo do poço. Neste caso, trata-se de proceder à sua estimulação, utilizando métodos semelhantes aos de desenvolvimento de poços durante a construção. O método mais recomendável é o de pistoneamento com pistão de válvula, nos trechos correspondentes às seções filtrantes, devendo o trabalho obedecer aos seguintes procedimentos:

• Medir a profundidade real do poço, se for constatada redução da profundidade por acúmulo de material no fundo do poço a primeira atividade a ser feita é remove-lo com a utilização de caçamba ou compressor;

• Efetuar o trabalho de pistoneamento partindo do topo da primeira seção filtrante, de cima para baixo, tendo o cuidado de, em cada trecho colocar o pistão 1,0 m acima do filtro e em caso de revestimentos e filtros de PVC tipo Geo, trabalhar com pistão folgado com no máximo 20-22 oscilações por minuto;

• Fazer a limpeza com caçamba depois de pistonear cada trecho e verificar a quantidade de material removido;

7.2. Caso 2 – Obstrução ou acúmulo de lama de bentonita, argilas da formação e lodos em geral (Limpeza com produto químico dispersante)

Normalmente ao se iniciar uma limpeza num poço encontramos farto material acumulado ou mesmo obstruindo constituído principalmente de lama e lodos. Neste caso é conveniente utilizar preliminarmente polifosfatos com adição de tensoativos umectantes (HEXA T) e hipoclorito de sódio 12%, conforme está descrito no item

7.2.1. A comparação da melhoria das condições do poço é feita por comparação de suas características hidráulicas imediatamente antes da estimulação e depois dela.

A queda de produção por problemas de natureza hidráulicas no aqüífero e no poço tem soluções relativamente simples; embora resultem, em geral, na redução do volume total de água desejado.

Num poço, onde se evidencia o superbombeamento e a taxa de extração excessiva, o único remédio é reduzir e regular a vazão de exploração. Se isso implicar em déficit com relação à demanda de água exigida, deve-se perfurar mais poços.

“Não é correto simplesmente, descer o crivo da bomba à maior profundidade, esta medida é um paliativo, que aumenta a probabilidade da diminuição da vida útil do poço”

7.2.1. Metodologia

Limpeza preliminar

• Sugerimos que esta limpeza seja feita com o produto HEXA T, na dosagem de 20 kg/m³ e hipoclorito de sódio 10-12%, a 3%, para remoção inicial de limos, rebocos, depósitos de metais insolúveis, etc.

• A aplicação pode ser feita com a própria bomba desde que esta esteja abaixo de 70% dos filtros. Se estiver acima, recomendamos que se utilize o compressor de ar com a sucção no fundo.

• HEXA T deve ser dissolvido em balde de água e aplicado pela boca do poço. No caso de se usar compressor pode ser aplicado por dentro da tubulação de água para que seja injetado através do fundo quando ligar o compressor.

• Deverá ser feita a circulação fechada por 1 h, deixando mais 5 h em repouso.

• Em seguida, a solução deve ser descartada até que a água limpe completamente e o pH volte ao valor original (sempre medir o pH antes de começar o serviço).

Em nenhuma hipótese misturar HEXA T com Easy Clean ou ALD.

7.3. Caso 3 – Incrustações de filtros e fraturas (Limpeza com produto químico desincrustante)

Em muitos casos a limpeza do poço tem que prosseguir após a remoção de lamas de argilas e lodos. A qualidade química das águas subterrâneas pode apresentar características incrustantes e acumular mineralizações ao longo do tempo que chegam até a reduzir sua vazão. Tais mineralizações denominadas incrustações são cristalizações duras de hidróxidos de ferro, carbonatos e sulfatos de cálcio e magnésio que podem ser dissolvidas pela adição de produtos de características acidificantes associados a ações mecânicas rigorosas em medidas corretivas descritas no item.

7.3.2. Mas, as incrustações também podem ser minimizadas com medidas preventivas nas etapas construtivas e operacionais dos poços:

7.3.1. Medidas preventivas

Para prevenir a incrustação, não há uma maneira que possa evitar por completo o problema, mas é possível atenuar os problemas através das seguintes medidas:

• Construir o poço utilizando fluidos poliméricos de baixo teor de sólidos, sendo monitorado para produzir o menor dano de permeabilidade ao aqüífero.

• Utilizar toda a extensão do aqüífero para instalação de filtros.

• Reduzir a vazão de bombeamento, mantendo o menor rebaixamento possível e aumentar o tempo de operação, para esta providência talvez seja necessário trocar a bomba por outra de menor capacidade que possa funcionar continuamente.

• Se houver déficit no volume total de água requerido pelo sistema, efetuar a exploração com mais poços, convenientemente distribuídos e com vazões e rebaixamentos moderados.

• Efetuar limpeza e tratamento periódicos, quando da realização da manutenção geral do sistema.

7.3.2. Medidas corretivas - acidificação

Para realizar um tratamento eficaz da incrustação é necessário conhecer sua composição química e verificar a concentração de ferro-manganês e cálcio-magnésio para detectar quem está incrustando mais.

• Se a predominância for de ferro-manganês, as incrustações serão de cor ocre (ferro) ou marrom escura (manganês) e podem ser tratada através de acidificações com produtos a base de ácido cítrico combinado com outros ácidos orgânicos (EASY CLEAN).

• Se a predominância for de cálcio-magnésio, as incrustações serão brancas e também podem ser tratadas com acidificações a base de ácidos orgânicos combinados (EASY CLEAN).

• Se houver indícios da presença de ferro-bactérias pode-se associar aplicações de oxidantes inorgânicos concentrados (CON-BACT 500) em grandes proporções (1,5-3,0%).

• Em todas as situações a ação mecânica deve corroborar com a ação química de EASY CLEAN. O produto deve ser aplicado, ficar em contato com as incrustações de modo a enfraquece-las, amolece-las, desestrutura-las, para que a ação mecânica de compressor, jateador, pistão de válvula e escovas possam remove-las fisicamente.

7.3.3. Metodologia

7.3.3.1. Aplicação de ácidos


a) Deve ser feita ainda com compressor, aplicando 1,5% de ALD*, auxiliar acidificante, e 1,5% de Easy Clean granulado.

b) Aplica-se primeiro Easy Clean granulado, que deve ser dissolvido em balde com água e derramado pela boca do poço com a retrolavagem funcionando. É importante homogeneizar bem os produtos ao longo da coluna de água para se conseguir a dosagem adequada.

c) ALD* também deve ser derramado em seguida pela boca do poço com as EPI’s relacionadas na ficha de segurança do produto. É imprescindível uso de máscara, luvas e óculos de proteção.

d) Quando a solução de Easy Clean + ALD* começar a retornar, a cor ficará esverdeada e o pH irá descer abruptamente. Circule ainda uns 15 min e desligue o compressor para que fique em repouso por 12 h.

e) A cada 3 h religar o compressor por meia hora.

f) No final do período religar o compressor e aplicar 0,5% de ALD*. Misture por 15 min e desligue para a retirada da tubulação, sem remover o produto de dentro do poço.

g) Instale a escova ou jateador e trabalhe por pelo menos 6 h. O pessoal tem que estar protegido contra respingos do ácido quando a escova ou jateador é alçada para fora do poço. Inicialmente passa-se a escova ao longo de toda a coluna de filtros por várias vezes. Depois, utilizando o balancim (30 oscilações/min) passa-se filtro a filtro.

h) Durante o escovamento deve-se aplicar cargas de 0,5% de ALD* a cada 2 h.

i) O descarte deve ser feito com a reinstalação do compressor até água limpar e pH se normalizar.

*ALD: Coadjuvantes no tratamento: ácidos líquidos inorgânicos
Existem produtos a base de ácidos inorgânicos líquidos – ALD, preparados com formulação exclusiva para desincrustação de poços tubulares.

A aplicação é na dosagem de 1,5%, junto com Easy Clean.
Estes ácidos, por serem inorgânicos, conseguem maior eficiência em manter o pH abaixo de 3 em situações de diluições intensas que ocorre em poços de alta vazão.
São associados aos ácidos orgânicos combinados quando se existe dificuldade em se manter o pH ácido por causa da intensa circulação


7.4. Caso 4 – Obstrução de lodos bacterianos e desinfecção
(Limpeza com produtos químicos bactericidas)

Quando se detecta presença de ferro-bactérias, bactérias de manganês, bactérias anaeróbicas e bactérias formadoras de lodos e biofilmes no interior dos poços é necessário a sua remoção através da aplicação de produtos químicos oxidantes em altas dosagens. Os bactericidas especialmente formulados para desinfecção de poços tubulares devem ser adicionados ao final das limpezas, após a aplicação de dispersantes e desincrustantes. Mas mesmo sem a presença das bactérias citadas é sempre necessária uma desinfecção eficiente para esterilização total do ambiente do poço de forma a proporcionar a potabilidade da água a ser consumida.

7.4.1. Remoção de ferro-bactérias

É feita no final dos serviços com CON-BACT 500, que complementa o efeito dos ácidos para evitar crescimentos bacterianos, sendo aplicado sem a remoção da solução de Easy Clean, na dosagem a partir de 1,5% (15 L/m³). Após a aplicação pela boca do poço, espera-se 2-3 h e descarta-se a solução de tratamento até água limpar.

7.4.2. Desinfecção

As concentrações de CON-BACT EXTRA para uma simples desinfecção, isto é, providência idêntica a cloração feita após a instalação da bomba definitiva e no momento de entrar o poço em operação, são a partir de 200 mL/m³. Recomenda-se o uso de CON-BACT EXTRA por este ser isento de cloro e muito mais eficiente na eliminação de todos os tipos de bactérias.

7.4.3. Metodologia de uso de CON-BACT EXTRA

A aplicação efetua-se da mesma forma que com os ácidos em solução: aplica vertendo-se vagarosamente em forma de filete a solução da bombona de 2 L no jato da retrolavagem que está adentrando a boca do revestimento, de forma a misturá-los. Deixar recirculando por 1 h e aguardar mais 2 h em repouso. Não é necessário descarta-lo. Pode-se reiniciar o bombeamento em seguida.

7.5. Desincrustação de zonas fraturadas

• As fraturas e outras aberturas em poços perfurados em rocha cristalina também estão sujeitas à incrustação. Neste caso a aplicação de ácidos pode produzir bons resultados. A operação é semelhante a dos poços com filtros, requerendo especial atenção na forma de pistoneamento. Quando o tubo de boca atinge profundidade de 3 a 5 metros abaixo do nível da água, o pistoneamento deve ser vigoroso dentro do tubo; quando, porém, o tubo de boca não estiver á profundidade adequada, dentro da água, torna-se necessário instalar um tubo auxiliar, ancorado e selado à superfície de modo a permitir o pistoneamento. Uma vez colocada a solução nos trechos correspondentes às zonas fraturadas, pistonea-se o poço no trecho do tubo em períodos de 20 a 30 minutos , seguidos de descanso de 1 hora , com duração total de 8 horas e, faz-se a remoção do material com caçamba ou compressor .

• O uso de explosivos pode ser eficaz na desincrustação de fraturas, mas requer condições adequadas do meio e pessoal especializado. Como as incrustações penetram nas fraturas a curtas distâncias, podem ser usadas pequenas cargas de dinamite de 50% a 60% , dispostas de dois em dois metros frontalmente aos trechos fraturados, com o cuidado de evitar explosões a menos de 20 metros da extremidade inferior do tubo de boca. O uso de explosivos para quebra de incrustações em filtros também é possível de ser utilizados. As cargas são pequenas e o uso de EASY CLEAN e CON-BACT EXTRA permanecem, funcionando este como uma ação mecânica efetiva.

Autor: Geólogo Eugênio Pereira - System Mud Indústria e Comércio Ltda.
Referência Bibliográfica: Água Subterrânea e Poços Tubulares - CETESB 1974, Manual de Operação e Manutenção de Poços- DAEE - 1982.


© Perfuradores.com. Todos os direitos reservados
Política de Uso do Portal