Notícias   



Crise hídrica: Romero encaminha plano de ação à Defesa Civil Nacional

Aumentar o texto: A- | A+
A gravíssima crise hídrica que Campina Grande enfrenta, levou o prefeito Romero Rodrigues a encaminhar ao Ministério da Integração e a Defesa Civil Nacional, em Brasília, um plano destinado a amenizar as consequências de um colapso no abastecimento d’água local. Segundo ele, a Defesa Civil do município não recebeu recursos que deveriam ter sido repassados pela Defesa Civil Estadual, gerando-se a necessidade de se recorrer ao órgão em nível nacional.

Segundo o prefeito durante entrevista a uma emissora de rádio, o plano de ação encaminhado, que foi elaborado pela Defesa Civil e secretarias municipais, contempla medidas como perfuração de 100 poços, além da utilização de 50 carros pipas, caixas d’água, compra de dessalinizadores e até mesmo a distribuição de cestas básicas e de água potável junto à população campinense. Esta e outras medidas emergenciais implicam no investimento de R$ 12, 2 milhões.

De acordo com o prefeito, a água transportada com o uso de carro pipa vai contemplar de forma prioritária unidades públicas, com hospitais, creches, escolas e postos de saúde, devendo acontecer uma ação especial para o atendimento de unidades como o Hospital Dr. Edgley, especializado em hemodiálise e que necessita de água de qualidade.

Conforme previu, as dificuldades também estão relacionadas a diversos fatores, como o transporte de água oriunda de municípios como Areia e Araçagi, este último distante mais de cem quilômetros de Campina Grande, o que vai onerar os custos deste tipo de operação.

Romero Rodrigues destacou, ainda, que o governo municipal, além da busca de parcerias para enfrentar o problema, sobretudo junto a órgãos nacionais, não tem se omitido em fazer a sua parte para garantir segurança hídrica ao povo campinense. Conforme lembrou, a perfuratriz adquirida recentemente pelo governo municipal já vem garantindo a perfuração de poços em várias áreas da cidade.

O prefeito campinense ainda tratou, em Brasília, durante a sua segunda viagem administrativa após o pleito eleitoral, de projetos emergenciais e definitivos para a definitiva solução da crise hídrica de Campina Grande, a exemplo do projeto de transposição das águas do Rio São Francisco.

Sobre a transposição, destacou a necessidade de investimentos em obras entre Monteiro a Boqueirão, alertando para o fato de que não basta a chegada das águas do Rio São Francisco à Paraíba, havendo a necessidade do tratamento adequado e da melhoria da qualidade de água a ser consumida pela população. Lamentou, neste contexto, a falta de investimentos por parte de outros entes administrativos em favor do esgotamento sanitário de Monteiro.

Em Brasília, na companhia dos deputados federais Rômulo Gouveia e Pedro Cunha Lima, entre outras lideranças, o prefeito campinense tratou junto a diversas autoridades sobre outras conquistas para a cidade, sobretudo quanto a liberação de recursos para a construção do conjunto dos servidores, implantação do cartão-reforma, obras do Complexo Aluísio Campos, instalação da superintendência da Caixa Econômica Federal na cidade, implantação do Centro de Iniciação ao Esporte no Parque da Liberdade e muitas outras iniciativas.

Leia mais em:

 » Galeria de Fotos
 


Fonte: www.maispb.com.br  

 » Notícias Relacionadas

  21-09-2018 Estado realiza perfuração de poços em diversas regiões.
  21-09-2018 Militares brasileiros fazem perfuração de poços de água na Guiana.
  21-09-2018 Abastecimento de água em cidades de AL na seca deve custar R$ 2,3 milhões por mês.
  21-09-2018 Compesa paralisa abastecimento de água em Caruaru, Agrestina e Cachoeirinha.
  18-09-2018 Após um mês sem água, MPF pede que aldeias recebam água em caminhões-pipa.
  18-09-2018 Um ano após crise hídrica, Viçosa e Ubá não têm previsão de racionamento de água em 2018.

 

Parceiros


Publicidade