Notícias   



Empresa oferece R$ 180 milhões para gerir abastecimento de água na capital

Aumentar o texto: A- | A+
A penúltima etapa do processo de licitação da subconcessão dos serviços de águas e esgotos em Teresina aconteceu na manhã de ontem com a abertura das propostas de preços das empresas que pretendem gerir o sistema hoje administrado pela Agência de Águas e Esgotos do Piauí SA (Agespisa). A proposta de maior preço foi da empresa Águas do Brasil, com sede no Rio de Janeiro, que ofereceu R$ 180 milhões pela outorga do serviço na capital, seguida pela empresa Aegea, que apresentou proposta de R$ 140 milhões, e pelo Consórcio Poti Ambiental, que ofereceu R$ 120 milhões.

De acordo com a superintendente de Parcerias e Concessões, Viviane Moura, o resultado da licitação sairá na próxima semana. "A gente recebeu as propostas de preços e agora nós vamos analisar e até semana a gente dá o resultado final dessa licitação, abre prazo para recursos, com as contrarrazões, e, aí, depois, a gente vai ver só a habilitação da vencedora para finalizar o processo e ver a assinatura de contrato", informou.

Na etapa anterior, que avaliou a capacidade de operacionalização e experiência na prestação dos serviços no setor (proposta técnica), as empresas Aegea e Consórcio Poti Ambiental empataram com 100 pontos cada uma. A empresa Águas do Brasil ficou com 91 pontos. "Já foram avaliados os critérios técnicos, a gente está vendo a oferta de preço e vai juntar as duas coisas e usar uma fórmula que tem em edital para ter a classificação final", explicou a superintendente.

"Na verdade, é a conjugação de duas coisas, condição e capacidade de operar, experiência técnica para manter e operar o sistema e fazer funcionar e prestar o serviço com eficiência e a outra capacidade econômica e financeira da empresa, dela manter investir", esclareceu a superintendente sobre o que estará sendo avaliado daqui por diante.

Ainda de acordo com a superintendente, a meta da sub-concessão é atingir a universalização do abastecimento de água e chegar a, pelo menos, 90% de atendimento pela rede de esgoto na capital, até o ano de 2031. A licitante vencedora terá o direito de administrar os serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário na área urbana da capital por 31 anos. Neste período, o governo atuará com a supervisão do Instituto de Águas e Esgotos do Piauí.

Fonte: Jornal Diário do Povo

Leia mais em:
Fonte: Fonte: Jornal Diário do Povo  

 » Notícias Relacionadas

  16-10-2018 No AP, Macapaba 1 pode ficar sem abastecimento de água por até 48 horas.
  10-10-2018 Estudo retrata pressão da mineração sobre áreas protegidas.
  09-10-2018 Obra na ETA irá duplicar capacidade de abastecimento de água.
  03-10-2018 Abastecimento de água em Goiânia não será afetado graças a gestão hídrica, diz Secima.
  26-09-2018 Samae pede ajuda da população para restabelecer abastecimento de água.
  21-09-2018 Estado realiza perfuração de poços em diversas regiões.

 

Parceiros


Publicidade