Notícias   



Governo toma medida emergencial para garantir abastecimento de água em Pedro II

Aumentar o texto: A- | A+
Açude da cidade registrou 6% da capacidade e o rio Corrente está quase escasso. Defesa Civil Estadual acompanha situação.

O governo do estado prepara providências para garantir o abastecimento de água em Pedro II, no Norte do Piauí, após o açude da cidade registrar apenas 6% da capacidade e a sua fonte, o rio Corrente, está quase escasso. Como medidas emergenciais foram perfurados poços para reforçar o sistema adutor da região.
"Em termos de caráter emergencial, a situação está contornada. Foram feitas a perfuração de seis poços, que estão prontos para jogar água para o sistema adutor de Pedro II. Da mesma forma que foi recuperada uma fonte natural muito importante do município, que foi a Pirapora, que também gerou um excedente de água capaz de resolver este problema neste momento", disse o diretor da Defesa Civil Estadual, Vitorino Tavares.
Segundo a Defesa Civil, a população de Pedro II pode ficar tranquila. O diretor explicou que mesmo com o volume do açude reduzido ainda é permitido, no espaço de tempo razoável, garantir o abastecimento de água na cidade. "Apesar das ações é importância da criação de plano de médio-longo prazo, para que o estado não sofra tanto com a falta de água como nos últimos anos", pontuou.
Para Vitorino Tavares, em Pio IX, São Julião, Alagoinha, Alegrete do Piauí, Campo Grande a situação é mais complicada. São cidades que dependem do sistema da adutora de Piaus, que está com 5% da capacidade e depende das chuvas para acumular água.
"Não encontramos ainda sistema alternativo, como a escavação de poços, devido a evasão ser pouca na região. Contanto, a Defesa Civil e o governo continua atento e acompanhando a situação", comentou.

Leia mais em:
Fonte: www.g1.globo.com  

 » Notícias Relacionadas

  21-09-2018 Estado realiza perfuração de poços em diversas regiões.
  21-09-2018 Militares brasileiros fazem perfuração de poços de água na Guiana.
  21-09-2018 Abastecimento de água em cidades de AL na seca deve custar R$ 2,3 milhões por mês.
  21-09-2018 Compesa paralisa abastecimento de água em Caruaru, Agrestina e Cachoeirinha.
  18-09-2018 Após um mês sem água, MPF pede que aldeias recebam água em caminhões-pipa.
  18-09-2018 Um ano após crise hídrica, Viçosa e Ubá não têm previsão de racionamento de água em 2018.

 

Parceiros


Publicidade