Notícias   



Apesar do período de estiagem, Sanasa garante abastecimento de água normal em Campinas

Aumentar o texto: A- | A+
Segundo órgão, captação não foi afetada no Rio Atibaia, que segue com vazão necessária.

Apesar do longo período de estiagem que atinge a região de Campinas, o município ainda não corre risco de ter problemas com o abastecimento de água. Isso porque, segundo um comunicado publicado pela Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanana), o Rio Atibaia está com vazão dentro do previsto por contrato.

De acordo a Sanasa, atualmente a vazão média do rio, que é responsável pelo fornecimento de água a 95% da população no município, é de 12m³ por segundo, enquanto o contrato com o Sistema Cantareira prevê uma fluência mínima de 10m³ por segundo no controle de Valinhos, que fica cerca de 5 km acima do ponto de captação em Campinas. A mudança na outorga foi assinada em maio do ano passado.

Situação na região
O número é bem diferente do que acontece em outros afluentes. No Rio Capivari, por exemplo, a vazão está 75,48% abaixo da média. A condição não é muito diferentes nos rios Corumbá e Piracicaba, com índice 72,22% e 72,04% abaixo da média respectivamente.

E as cidades que dependem desses rios para o abastecimento de água já estão começam a se preocupar. Em Vinhedo (SP), por exemplo, não chove significativamente há 38 dias e o volume na captação já foi reduzido em 10%.

Na represa do bairro Cachoeira, que é um dos três pontos de captação de água no município e faz parte do sistema responsável pelo abastecimento de pelo menos 60% da população, o nível está um 1,30m abaixo do normal, que é de 4,6m.

As bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiai, que fazem parte do consórcio PCJ e abastecem várias cidades da região, também estão com o volume abaixo da média.

Leia mais em: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2018/07/22/apesar-do-periodo-de-estiagem-sanasa-garante-abastecimento-de-agua-normal-em-campinas.ghtml

 » Galeria de Fotos
 


Fonte: www.g1.globo.com  

 » Notícias Relacionadas

  21-09-2018 Estado realiza perfuração de poços em diversas regiões.
  21-09-2018 Militares brasileiros fazem perfuração de poços de água na Guiana.
  21-09-2018 Abastecimento de água em cidades de AL na seca deve custar R$ 2,3 milhões por mês.
  21-09-2018 Compesa paralisa abastecimento de água em Caruaru, Agrestina e Cachoeirinha.
  18-09-2018 Após um mês sem água, MPF pede que aldeias recebam água em caminhões-pipa.
  18-09-2018 Um ano após crise hídrica, Viçosa e Ubá não têm previsão de racionamento de água em 2018.

 

Parceiros


Publicidade